Economia

Brasil pode superar previsão e alcançar recorde histórico em exportações para a China neste ano, revela jornal

Exportações brasileiras para o país asiático podem atingir a marca de US$ 100 bilhões, representando cerca de 30% do comércio internacional do Brasil

As exportações do Brasil para a China em 2023 têm o potencial de atingir um valor histórico de US$ 100 bilhões (quase R$ 500 bilhões), um montante sem precedentes mesmo levando em consideração as negociações com outros países ao redor do mundo. Essa informação foi divulgada pelo jornalista Assis Moreira, do Valor Econômico, e surpreende até mesmo a equipe econômica do governo brasileiro, que previa um teto de até US$ 90 bilhões em exportações para a China.

No ano passado, as exportações brasileiras para a China totalizaram US$ 89,4 bilhões, o que representou 26% de todas as vendas internacionais do Brasil em 2022.

Caso as vendas atinjam quase meio trilhão de reais, aproximadamente 30% de todo o comércio brasileiro terá como destino a China neste ano. Em 2014, esse percentual era de 18%.

Além dos tradicionais produtos exportados, como soja, minério e petróleo, a inclusão do milho como item de negociação impulsionou ainda mais a relação comercial entre os dois países.

Um fato inédito ocorreu em outubro, quando o Banco da China Brasil anunciou a primeira transação completa entre uma empresa brasileira e uma chinesa utilizando apenas as moedas locais dos dois países, o real e o yuan, evitando a necessidade de câmbio em dólar. Essa operação foi realizada entre os meses de agosto e setembro e envolveu a exportação de celulose da Eldorado Brasil, uma empresa sediada em São Paulo com representação em Xangai.

Recentemente, outro marco histórico concretizou mais um passo na aproximação entre China e Brasil. O país asiático enviou uma série de máquinas agrícolas, incluindo microtratores, colheitadeiras, semeadeiras e plantadeiras, que serão destinadas a áreas produtivas da agricultura familiar nos estados do Ceará, Maranhão, Paraíba e Rio Grande do Norte. Cerca de 30 máquinas poderão ser utilizadas em 20 tipos de cultivos, abrangendo assentamentos do Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra e outras organizações da agricultura familiar, como o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Apodi (RN).

Esse avanço nas exportações e nas relações comerciais entre Brasil e China evidencia a importância desse mercado para a economia brasileira e a necessidade de fortalecer parcerias e acordos comerciais que sejam benéficos para ambos os países.

Redação com Brasil de Fato

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo